Área do Cliente

Indicadores da economia apontam para possibilidade de redução da taxa Selic

Obrigações Tributárias

Indicadores Econômicos

Moedas - 28/02/2020 16:04:49
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Dólar Comercial
  • 4,498
  • 4,499
  • Dólar Paralelo
  • 4,420
  • 4,700
  • Dólar Turismo
  • 4,320
  • 4,680
  • Euro
  • 4,948
  • 4,951
  • Iene
  • 0,042
  • 0,042
  • Franco
  • 4,644
  • 4,647
  • Libra
  • 5,734
  • 5,779
  • Ouro
  • 237,690
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

A Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) avaliou que os números recentes do Produto Interno Bruto (PIB) e das condições internas de crédito sinalizam para a possibilidade de redução da taxa básica de juros Selic, mantida hoje (31) pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em 14,25%, mesmo patamar desde julho do ano passado.

Considerando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Fecomércio-RJ considerou que “o PIB do segundo trimestre recuou pela sexta vez consecutiva, com forte redução dos investimentos na comparação com igual período do ano passado. Além disso, mesmo em meio à estabilidade da Selic, os juros médios subiram significativamente para empresas e consumidores brasileiros. Seu patamar na ponta, na média, mais do que o dobro da Selic (33%), e sua evolução no último ano comprovam o espaço existente para a redução das taxas, de modo a ampliar o dinamismo das concessões e a recuperação do setor produtivo”.

Também a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) aposta que a mudança de rumo da política econômica impulsionou a confiança de empresários e consumidores, “abrindo espaço para que a atividade econômica desse os primeiros sinais de recuperação”.

Em nota, a entidade observou, entretanto, que a volta do crescimento depende da confirmação das medidas fiscais propostas pelo governo de Michel Temer, agora empossado na Presidência da República. “A redução dos gastos públicos é fator-chave, não só para conter a escalada da dívida como também para abrir espaço para a queda da inflação e da taxa de juros”.

O Sistema Firjan sugere que o novo governo deve trabalhar de maneira firme pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos à inflação e, também, na proposta de reforma da Previdência.

Fonte: administradores.com.br

Matriz
Rua São João, 22, Parte C - Centro
Boituva/SP - CEP: 18.550-000
(15) 3263-1798
Filial
Rua Professor Antonio Olegario Cardoso Filho, 147, Sala 04 - Jd. Professor Benoa
Santana de Parnaiba/SP - CEP: 06.502-045
(15) 3263-1798
padianiauditores@padianiauditores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb

Este site atende aos padrões exigidos pela W3C
(Validar XHTML / Validar CSS)