Área do Cliente

BC discutiu cortar mais a Selic, mostra ata do Copom

Obrigações Tributárias

  • 26/Fevereiro/2020
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.

Indicadores Econômicos

Moedas - 26/02/2020 08:20:15
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Dólar Comercial
  • 4,387
  • 4,390
  • Dólar Paralelo
  • 4,360
  • 4,610
  • Dólar Turismo
  • 4,220
  • 4,570
  • Euro
  • 4,775
  • 4,779
  • Iene
  • 0,040
  • 0,040
  • Franco
  • 4,500
  • 4,504
  • Libra
  • 5,672
  • 5,677
  • Ouro
  • 232,000
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

O Banco Central discutiu aumentar o ritmo de cortes da taxa básica de juros na semana passada, com alguns dos membros do Comitê de Política Monetária (Copom) defendendo que a evolução favorável da inflação, a aprovação inicial de medidas fiscais e o ritmo fraco da economia justificariam o movimento.

No entanto, outros membros argumentaram que a evolução de “alguns componentes da inflação mais sensíveis à atividade econômica e à política monetária continuava indicando pausa” e que o cenário externo ficaria mais sensível para as economias emergentes.

“Esses mesmos membros ponderaram, entretanto, que é razoável esperar uma intensificação do processo de flexibilização monetária caso a atividade econômica não dê sinais mais claros de retomada, posto que nesse caso as projeções de inflação devem se reduzir”, trouxe a ata do Copom divulgada nesta terça-feira.

Na semana passada, o BC decidiu dar sequência ao ciclo de afrouxamento da Selic com mais um corte de 0,25 ponto percentual, o segundo seguido, levando-a a 13,75 por cento ao ano.

Citou, naquele momento, além do cenário externo e a atividade econômica no Brasil, o andamento das medidas de ajuste fiscal e desinflação mais difundida, argumentos repetidos na ata.

As avaliações feita pelo BC, no entanto, não levam em conta o revés político que o governo de Michel Temer levou na noite passada, com o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) e que pode atrapalhar a votação das medidas de ajuste fiscal, em especial a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos.

Também não incluiu o aumento de preços da gasolina e do diesel nas refinarias anunciado pela Petrobras. Se o ajuste for integralmente repassado ao consumidor, o preço do diesel pode subir 5,5 por cento e da gasolina, 3,4 por cento.

Na ata, o Copom voltou a afirmar que o “processo de desinflação depende de ambiente externo adequado” mas que, no entanto, não há “relação mecânica entre o cenário externo e a política monetária”.

Também afirmou que havia riscos associados ao possível fim do ambiente relativamente benigno para economias emergentes, sem citar explicitamente a vitória do republicano Donald Trump na disputa pela Presidência dos Estados Unidos, que levou a uma onda de aversão ao risco nos mercados financeiros globais.

O BC repetiu ainda que a “convergência da inflação para a meta em 2017 e 2018 é compatível com processo gradual de flexibilização monetária” e também reiterou que a magnitude da flexibilização monetária e a intensificação do seu ritmo dependerão, daqui para frente, das projeções e expectativas de inflação e da evolução dos fatores de risco.

Na pesquisa Focus mais recente, realizada pelo BC com mais de uma centena de economistas todas as semanas, a perspectiva para a taxa básica de juros em 2017 foi reduzida pela primeira vez em quatro semanas, a 10,5 por cento ao fim do próximo ano, ao mesmo tempo em que a estimativa para o PIB piorou para uma alta de 0,8 por cento, abaixo da projeção oficial do governo de expansão de 1 por cento.

Enquanto o mercado vê a inflação em 4,93 por cento em 2017 e 4,50 por cento em 2018, o BC repetiu na ata do Copom que sua projeção pelo cenário de referência é de alta do IPCA de 4,4 por cento em 2017 e de 3,6 por cento para 2018 –em ambos os casos abaixo do centro da meta.

O centro da meta de inflação deste ano e dos dois próximos é de 4,5 por cento pelo IPCA, mas com margens de tolerância diferentes. Para 2016, essa banda é de 2 pontos percentuais, caindo a 1,5 ponto para 2017 e 2018.

Fonte: exame.abril.com.br

Matriz
Rua São João, 22, Parte C - Centro
Boituva/SP - CEP: 18.550-000
(15) 3263-1798
Filial
Rua Professor Antonio Olegario Cardoso Filho, 147, Sala 04 - Jd. Professor Benoa
Santana de Parnaiba/SP - CEP: 06.502-045
(15) 3263-1798
padianiauditores@padianiauditores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb

Este site atende aos padrões exigidos pela W3C
(Validar XHTML / Validar CSS)