Área do Cliente

Novo vírus KeyPass sequestra PCs e tem Brasil como foco; saiba como funciona

Obrigações Tributárias

  • 26/Fevereiro/2020
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.

Indicadores Econômicos

Moedas - 26/02/2020 16:07:29
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Dólar Comercial
  • 4,435
  • 4,436
  • Dólar Paralelo
  • 4,380
  • 4,650
  • Dólar Turismo
  • 4,260
  • 4,620
  • Euro
  • 4,827
  • 4,829
  • Iene
  • 0,040
  • 0,040
  • Franco
  • 4,542
  • 4,543
  • Libra
  • 5,724
  • 5,725
  • Ouro
  • 232,000
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Depois do pânico causado pelo WannaCry no ano passado, um ransomware que atingiu computadores do mundo inteiro, há um novo caso de software malicioso se espalhando rapidamente pelo globo, e o Brasil está entre os principais atingidos, como informou a Kaspersky.

Segundo um comunicado no blog da empresa, o malware se chama KeyPass e já atingiu ao menos 20 países. Brasil e Vietnã são os maiores afetados, mas os casos podem ser verificados também na Europa e na África, com perspectivas de se espalhar ainda mais no futuro próximo.

O KeyPass é um malware um pouco fora do usual. Ao contrário do que é habitual para ransomwares similares, ele não procura arquivos com extensões específicas para criptografar. Em vez disso, ele criptografa quase tudo e deixa apenas algumas pastas livres; os arquivos cifrados recebem uma extensão “.keypass”. Apenas os 5 primeiros megabytes do arquivo são criptografados, mas já é o suficiente para torná-los inutilizáveis.

Claro que depois disso vem a parte de monetização do ataque. As pastas cifradas contam com um arquivo .TXT com informações em inglês que determinam como pode ser feito o pagamento. Os autores pedem US$ 300 para a aquisição de um software e uma chave individual que seria capaz de desbloquear todos os documentos cifrados. Os cibercriminosos até mesmo se oferecem para desbloquear até três arquivos para provar que a oferta é legítima. Por fim, o texto também alerta que o valor só é válido por 72 horas, sem explicar o que acontece após esse prazo.

Em casos como esse, nunca é recomendável pagar o resgate, como informa a própria Kaspersky, já que não há sequer como garantir que o cibercriminoso cumprirá a sua palavra. Ainda no caso do ransomware, o método mais eficaz de evitar se dar mal esse tipo de ataque é a prevenção: fazer um backup frequente dos seus arquivos mais importante significa que você não tem nada a perder se for infectado. Além disso, é sempre bom ter uma ideia do que você está instalando na sua máquina e evitar fazer downloads em sites suspeitos para evitar problemas.

Fonte: OlharDigital | 12/09/2018

Matriz
Rua São João, 22, Parte C - Centro
Boituva/SP - CEP: 18.550-000
(15) 3263-1798
Filial
Rua Professor Antonio Olegario Cardoso Filho, 147, Sala 04 - Jd. Professor Benoa
Santana de Parnaiba/SP - CEP: 06.502-045
(15) 3263-1798
padianiauditores@padianiauditores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb

Este site atende aos padrões exigidos pela W3C
(Validar XHTML / Validar CSS)