Área do Cliente

Pesquisadores constroem bioprocessador dual-core em célula humana

Obrigações Tributárias

  • 23/Fevereiro/2020
  • ICMS/SCANC | Refinaria de Petróleo e suas bases, nas operações com combustível derivado de petróleo, nos casos de repasse (imposto retido por outros combustíveis).

Indicadores Econômicos

Moedas - 21/02/2020 16:08:41
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Dólar Comercial
  • 4,392
  • 4,393
  • Dólar Paralelo
  • 4,330
  • 4,600
  • Dólar Turismo
  • 4,220
  • 4,570
  • Euro
  • 4,741
  • 4,744
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,469
  • 4,472
  • Libra
  • 5,669
  • 5,673
  • Ouro
  • 228,110
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Recentemente, pesquisadores do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, fizeram uma descoberta capaz de oferecer grande ajuda na construção de biocomputadores: a criação de um bioprocessador dual-core em célula humana.

Segundo informações divulgadas pela equipe responsável pelo projeto, esse biocomputador se baseia em uma técnica de edição genética conhecida como CRISPR-Cas9, que conta com núcleos processadores que podem ser reprogramados.

De acordo com as explicações dos cientistas, o uso de células humanas auxilia no que diz respeito a tirar proveito da “capacidade computacional” metabólica, já que elas podem processar até 100 mil moléculas metabólicas diferentes e cada uma funciona como uma entrada para o processador.

Como tudo funciona?

Para gerar o poder necessário, uma variante especial da proteína Cas9 fica responsável por formar o núcleo do processador. A CPU é capaz de regular a expressão de um gene em específico utilizando como resposta a entrada fornecida pela sequência de RNA guia, e com esse processo é possível a programação de circuitos escalonáveis nas células humanas, sem a necessidade de desenvolver um processador para cada tarefa.

Graças a esses passos, o time foi capaz de usar componentes CRISPR-Cas9 de duas bactérias diferentes para criar um processador biológico dual-core semelhante ao que vemos no mundo dos equipamentos eletrônicos.

“Imagine um microtecido com bilhões de células, cada uma equipada com seu próprio processador dual-core. Esses ‘órgãos computacionais’ poderiam, teoricamente, alcançar um poder de computação que ultrapassa em muito o de um supercomputador digital — e usando apenas uma fração de energia”, explicou o professor Martin Fussenegger, um dos responsáveis por esse projeto.

Fonte: TecMundo | 02/05/2019

Matriz
Rua São João, 22, Parte C - Centro
Boituva/SP - CEP: 18.550-000
(15) 3263-1798
Filial
Rua Professor Antonio Olegario Cardoso Filho, 147, Sala 04 - Jd. Professor Benoa
Santana de Parnaiba/SP - CEP: 06.502-045
(15) 3263-1798
padianiauditores@padianiauditores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb

Este site atende aos padrões exigidos pela W3C
(Validar XHTML / Validar CSS)