Área do Cliente

Trabalhador temporário pode sacar FGTS?

Obrigações Tributárias

  • 31/Março/2020 – 3ª Feira.
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ/CSL - Lucro real anual - Saldo de 2019.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Operações com criptoativos.
  • Programa bienal de segurança e medicina do trabalho.
  • Declaração de Benefícios Fiscais (DBF).
  • Declaração de Transferência de Titularidade de Ações (DTTA).
  • Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis).
  • Informações prestadas pelas entidades de previdência complementar, sociedades seguradoras e administradoras de Fapi
  • Declaração de Rendimentos Pagos a Consultores por Organismos Internacionais (Derc).

Indicadores Econômicos

Moedas - 27/03/2020 15:52:48
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Dólar Comercial
  • 5,021
  • 5,023
  • Dólar Paralelo
  • 4,370
  • 5,100
  • Dólar Turismo
  • 5,000
  • 5,300
  • Euro
  • 5,537
  • 5,541
  • Iene
  • 0,046
  • 0,046
  • Franco
  • 5,212
  • 5,216
  • Libra
  • 6,094
  • 6,097
  • Ouro
  • 261,110
  •  
Mensal - 04/03/2020
  • Índices
  • Jan/20
  • Dez/19
  • Inpc/Ibge
  • 0,19
  • 1,22
  • Ipc/Fipe
  • 0,29
  • 0,94
  • Ipc/Fgv
  • 0,59
  • 0,77
  • Igp-m/Fgv
  • 0,48
  • 2,09
  • Igp-di/Fgv
  • 0,09
  • 1,74
  • Selic
  • 0,38
  • 0,37
  • Poupança
  • 0,05
  • 0,05
  • TJLP
  • 5,09
  • 5,57
  • TR
  • -
  • -

O recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é obrigatório nos contratos de trabalho temporário. Veja respostas para as principais dúvidas das Utilizadoras sobre o assunto

O trabalho temporário deve ter alta de 10% nas contratações nos últimos meses de 2018. Segundo a ASSERTEM, a maior demanda deve vir do setor industrial e do comércio, movimentados pelas vendas para as festas de fim de ano. A modalidade de contratação atende a uma importante necessidade para as empresas: a possibilidade de ter mais trabalhadores à sua disposição para atender uma necessidade transitória.

A Lei 6.019/74, que rege o trabalho temporário, justifica a contratação “para atender à necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de serviços”. Em um período onde as vendas crescem e muitos empregados saem em férias, o trabalho temporário garante a continuidade das atividades na empresa utilizadora.

A contratação de trabalhadores temporários é feita por intermédio de Agência de Trabalho Temporário, a qual deve, obrigatoriamente, ser credenciada no Ministério do Trabalho.

Neste artigo a Employer responde algumas dúvidas sobre uma obrigação trabalhista que faz parte da contratação de temporários: o recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Veja o que você precisa saber sobre o tema.

Depósito do FGTS para trabalhadores temporários

O recolhimento do FGTS é obrigatório por lei (art. 7º, III, da Constituição Federal). O FGTS corresponde a 8% do valor sobre a remuneração paga ou devida ao empregado e deve ser depositado em conta específica.

Art. 15. Para os fins previstos nesta lei, todos os empregadores ficam obrigados a depositar, até o dia 7 (sete) de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8 (oito) por cento da remuneração paga ou devida, no mês anterior, a cada trabalhador, incluídas na remuneração as parcelas de que tratam os arts. 457 e 458 da CLT e a gratificação de Natal a que se refere a Lei nº 4.090, de 13 de julho de 1962, com as modificações da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965. […] (Lei 8.036/1990)

O valor do FGTS deverá constar expressamente no holerite do trabalhador temporário, da mesma forma que os demais contratos de trabalho.

Como calcular o FGTS?

O recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é obrigatório nos contratos de trabalho temporário. Veja respostas para as principais dúvidas das Utilizadoras sobre o assunto

O trabalho temporário deve ter alta de 10% nas contratações nos últimos meses de 2018. Segundo a ASSERTEM, a maior demanda deve vir do setor industrial e do comércio, movimentados pelas vendas para as festas de fim de ano. A modalidade de contratação atende a uma importante necessidade para as empresas: a possibilidade de ter mais trabalhadores à sua disposição para atender uma necessidade transitória.

A Lei 6.019/74, que rege o trabalho temporário, justifica a contratação “para atender à necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de serviços”. Em um período onde as vendas crescem e muitos empregados saem em férias, o trabalho temporário garante a continuidade das atividades na empresa utilizadora.

A contratação de trabalhadores temporários é feita por intermédio de Agência de Trabalho Temporário, a qual deve, obrigatoriamente, ser credenciada no Ministério do Trabalho.

Neste artigo a Employer responde algumas dúvidas sobre uma obrigação trabalhista que faz parte da contratação de temporários: o recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Veja o que você precisa saber sobre o tema.

Depósito do FGTS para trabalhadores temporários

O recolhimento do FGTS é obrigatório por lei (art. 7º, III, da Constituição Federal). O FGTS corresponde a 8% do valor sobre a remuneração paga ou devida ao empregado e deve ser depositado em conta específica.

Art. 15. Para os fins previstos nesta lei, todos os empregadores ficam obrigados a depositar, até o dia 7 (sete) de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8 (oito) por cento da remuneração paga ou devida, no mês anterior, a cada trabalhador, incluídas na remuneração as parcelas de que tratam os arts. 457 e 458 da CLT e a gratificação de Natal a que se refere a Lei nº 4.090, de 13 de julho de 1962, com as modificações da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965. […] (Lei 8.036/1990)

O valor do FGTS deverá constar expressamente no holerite do trabalhador temporário, da mesma forma que os demais contratos de trabalho.

Como calcular o FGTS?

A regra é uma só para todos os contratos, sejam eles efetivos ou temporários. Como você viu no início deste artigo, o FGTS corresponde a 8% da remuneração bruta do trabalhador. Vale lembrar que esta remuneração deve ser equivalente à dos efetivos contratados para a mesma função e não pode ser menor do que o salário mínimo regional:

    a) remuneração equivalente à percebida pelos empregados de mesma categoria da empresa tomadora ou cliente calculados à base horária, garantida, em qualquer hipótese, a percepção do salário mínimo regional – Art.12 da Lei 6.019/74

O fim do contrato de trabalho temporário dá direito à multa sobre o FGTS?

Não. A multa de 40% sobre o FGTS é prevista em lei somente nos casos de dispensa sem justa causa. Como o trabalho temporário é um contrato com prazo flexível, limitado a 180 dias, não há depósito da multa sobre o FGTS.

Quando o trabalhador temporário poderá sacar o FGTS?

Respeitados os prazos legais e contratuais, o saque do FGTS pode ser feito pelo trabalhador temporário após o término do contrato. O empregado tem direito a sacar 100% do valor depositado durante o período em que ficou à disposição da Utilizadora.

Fonte: JornalContabil | 01/08/2019

Matriz
Rua São João, 22, Parte C - Centro
Boituva/SP - CEP: 18.550-000
(15) 3263-1798
Filial
Rua Professor Antonio Olegario Cardoso Filho, 147, Sala 04 - Jd. Professor Benoa
Santana de Parnaiba/SP - CEP: 06.502-045
(15) 3263-1798
padianiauditores@padianiauditores.com.br


Site desenvolvido pela TBrWeb

Este site atende aos padrões exigidos pela W3C
(Validar XHTML / Validar CSS)